O AMANHECER DO EVANGELHO

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA

REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM Quinta-feira da 27ª Semana do Tempo Comum

Jesus ensina: rezar com fé e insistência, sem esmorecer.

1) Oração

Ó Deus eterno e todo-poderoso, que nos concedeis no vosso imenso amor de Pai mais do que merecemos e pedimos, derramai sobre nós a vossa misericórdia, perdoando o que nos pesa na consciência e dando-nos mais do que ousamos pedir. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.2) Leitura do Evangelho    (Lucas 11, 5-13)

5Em seguida, ele continuou: Se alguém de vós tiver um amigo e for procurá-lo à meia-noite, e lhe disser: Amigo, empresta-me três pães, 6pois um amigo meu acaba de chegar à minha casa, de uma viagem, e não tenho nada para lhe oferecer; 7e se ele responder lá de dentro: Não me incomodes; a porta já está fechada, meus filhos e eu estamos deitados; não posso levantar-me para te dar os pães; 8eu vos digo: no caso de não se levantar para lhe dar os pães por ser seu amigo, certamente por causa da sua importunação se levantará e lhe dará quantos pães necessitar.9E eu vos digo: pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. 10Pois todo aquele que pede, recebe; aquele que procura, acha; e ao que bater, se lhe abrirá. 11Se um filho pedir um pão, qual o pai entre vós que lhe dará uma pedra? Se ele pedir um peixe, acaso lhe dará uma serpente? 12Ou se lhe pedir um ovo, dar-lhe-á porventura um escorpião? 13Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai celestial dará o Espírito Santo aos que lho pedirem. 3) Reflexão

*  O evangelho de hoje dá continuidade ao assunto da oração, iniciado ontem com o ensinamento do Pai Nosso (Lc 11,1-4).

Hoje Jesus ensina que devemos rezar com fé e insistência, sem esmorecer. Para isto ele usa uma parábola provocador .Lucas 11,5-7: A parábola que provoca

Como de costume, quando ele tem uma coisa importante para ensinar, Jesus recorre a uma comparação, uma parábola. Hoje ele nos conta uma história curiosa que termina em pergunta, e ele dirige esta pergunta ao povo que o escutava e também a nós que hoje lemos ou escutamos a história: “Se alguém de vocês tivesse um amigo, e fosse procurá-lo à meia-noite, dizendo: ‘Amigo, me empreste três pães, 6 porque um amigo meu chegou de viagem, e não tenho nada para oferecer a ele’. Será que lá de dentro o outro responderia: ‘Não me amole! Já tranquei a porta, meus filhos e eu já nos deitamos; não posso me levantar para lhe dar os pães?”  Antes de Jesus mesmo dar a resposta, ele quer que você dê a sua opinião. O que você responderia: sim ou não?Lucas 11,8: Jesus mesmo responde à provocação

Jesus dá a sua resposta: “Eu declaro a vocês: mesmo que o outro não se levante para dar os pães porque é um amigo seu, vai levantar-se ao menos por causa da amolação, e dar tudo aquilo que o amigo necessita”. Se não fosse Jesus, será que você teria a coragem de inventar uma história na qual se sugere que Deus atende às nossas orações para ver-se livre da amolação? A resposta de Jesus reforça a mensagem sobre a oração, a saber: Deus atende sempre à nossa oração. Esta parábola lembra a outra, também em Lucas, da viúva que insiste em conseguir seus direitos junto ao juiz ateu que não se importa com Deus nem com a justiça e que atende à viúva não porque quer ser justo, mas porque quer ver-se livre da amolação da mulher (Lc 18,3-5). Em seguida, Jesus tira duas conclusões para aplicar a mensagem da parábola na vida.        Lucas 11,9-10: A primeira aplicação da Parábola

“Portanto, eu lhes digo: peçam, e lhes será dado! Procurem, e encontrarão! Batam, e abrirão a porta para vocês! Pois, todo aquele que pede, recebe; quem procura, acha; e a quem bate, a porta será aberta”. Pedir, procurar, bater! Jesus não coloca condição. Se você pedir, vai receber. Se você procurar, vai encontrar. Se você bater na porta, ela vai ser aberta. Jesus não diz quanto tempo vai durar o pedir, o buscar, o bater, mas é certo que vai ter resultado.

Lucas 11,11-12: A segunda aplicação da parábola

“Será que alguém de vocês que é pai, se o filho lhe pede um peixe, em lugar do peixe lhe dá uma cobra?  12 Ou ainda: se pede um ovo, será que vai lhe dar um escorpião?”  Esta segunda aplicação deixa transparecer o público que escutava as palavras de Jesus e também o jeito de ele ensinar em forma de diálogo. Ele pergunta: “Vocês que são pais, quando o filho pede um peixe, vocês dão uma cobra?” O povo responde: “Não!” –“E se pede um ovo, vocês dão um escorpião?”  -“Não!”  Por meio do diálogo, Jesus envolve as pessoas na comparação e, pela resposta que recebe delas, ele as compromete com a mensagem da parábola.Lucas 11,13: A mensagem: receber o dom do Espírito Santo

Se vocês, que são maus, sabem dar coisas boas aos filhos, quanto mais o Pai do céu! Ele dará o Espírito Santo àqueles que o pedirem.”  O dom máximo que Deus tem para nós é o dom do Espírito Santo. Quando fomos criados, ele soprou o seu espírito nas nossas narinas e nós nos tornamos um ser vivente (Gn 2,7). Na segunda criação através da fé em Jesus, ele nos dá novamente o Espírito, o mesmo Espírito que fez com que a Palavra se encarnasse em Maria (Lc 1,35). Com a ajuda do Espírito Santo, o processo da encarnação da Palavra continuou até à hora da morte da Cruz. No fim, na hora da morte, Jesus devolveu o Espírito ao Pai: “Em tuas mãos entrega o meu espírito” (Lc 23,46). É este Espírito que Jesus nos prometeu como fonte de verdade e de compreensão (Jo 14,14-17; 16,13), e como ajuda no meio das perseguições (Mt 10,20; At 4,31). Este Espírito não se compra a preço de dinheiro nos shoppingcentros. A única maneira de consegui-lo é através da oração. Foram nove dias de oração que conseguiu o dom abundante do Espírito no dia de Pentecostes (At 1,14; 2,1-4).4) Para um confronto pessoal

1) Como você responde à provocação da parábola? Uma pessoa que vive num apartamento pequeno em cidade grande, como ela responderia? Abriria a porta?

2) Quando você reza, reza com a convicção de conseguir o que pede?5) Oração final

Louvarei o Senhor de todo o coração, na assembléia dos justos e em seu conselho. Grandes são as obras do Senhor, dignas de admiração de todos os que as amam. (Sl 110, 1-2)