EVANGELHO DO DIA E HOMILIA – O AMANHECER DO EVANGELHO

REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

                                                                                         Segunda-feira da 3ª Semana da QuaresmaEm nome de Deus, Jesus tomou posição e definiu sua missão: anunciar a Boa Nova aos pobres, proclamar a libertação aos presos e a recuperação da vista aos cegos, restituir a liberdade aos oprimidos. Terminada a leitura, ele atualizou o texto e disse: Hoje se cumpriu esta escritura nos ouvidos de vocês!” (Lc 4,21)..1) Oração

Ó Deus, na vossa incansável misericórdia, purificai e protegei a vossa Igreja, governando-a constantemente, pois sem vosso auxílio ela não pode salvar-se. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.2) Leitura do Evangelho (Lucas 4, 24-30)

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas – Naquele tempo,24Jesus acrescentou: Em verdade vos digo: nenhum profeta é bem aceito na sua pátria. 25Em verdade vos digo: muitas viúvas havia em Israel, no tempo de Elias, quando se fechou o céu por três anos e meio e houve grande fome por toda a terra; 26mas a nenhuma delas foi mandado Elias, senão a uma viúva em Sarepta, na Sidônia. 27Igualmente havia muitos leprosos em Israel, no tempo do profeta Eliseu; mas nenhum deles foi limpo, senão o sírio Naamã. 28A estas palavras, encheram-se todos de cólera na sinagoga. 29Levantaram-se e lançaram-no fora da cidade; e conduziram-no até o alto do monte sobre o qual estava construída a sua cidade, e queriam precipitá-lo dali abaixo. 30Ele, porém, passou por entre eles e retirou-se. – Palavra da salvação.3) Reflexão

* O evangelho de hoje (Lc 4,24-30) faz parte de um conjunto mais amplo (Lc 4,14-32). Jesus tinha apresentado o seu programa na sinagoga de Nazaré por meio de um texto de Isaías que falava dos pobres, presos, cegos e oprimidos (Is 61,1-2) e que refletia a situação do povo da Galiléia no tempo de Jesus. Em nome de Deus, Jesus tomou posição e definiu sua missão: anunciar a Boa Nova aos pobres, proclamar a libertação aos presos e a recuperação da vista aos cegos, restituir a liberdade aos oprimidos. Terminada a leitura, ele atualizou o texto e disse: Hoje se cumpriu esta escritura nos ouvidos de vocês!” (Lc 4,21).. Todos os presentes ficaram admirados (Lc 4,16-22ª). Mas logo em seguida, houve uma reação de descrédito. O povo na sinagoga ficou escandalizado e já não queria saber de Jesus. Dizia:“Não é este o filho de José?” (Lc 4,22b) Por que ficaram escandalizados? Qual o motivo daquela reação tão inesperada?* É que Jesus citou o texto de Isaías só até onde diz: “proclamar um ano de graça da parte do Senhor”, e cortou o final da frase que dizia: “e proclamar um dia de vingança do nosso Deus” (Is 61,2). O povo de Nazaré ficou bravo porque Jesus omitiu a frase sobre a vingança. Eles queriam que a Boa Nova da libertação dos oprimidos fosse uma ação de vingança da parte de Deus contra os opressores. Neste caso, a vinda do Reino seria apenas uma virada da mesa e não uma mudança ou conversão do sistema. Jesus não aceita este modo de pensar. A sua experiência de Deus como Pai ajudou-o a entender melhor o sentido das profecias. Descartou a vingança. O povo de Nazaré não aceitou esta proposta e começou a diminuir a autoridade de Jesus: “Não é este o filho de José?”* Lucas 4,24: Nenhum profeta é bem aceito em sua pátria. O povo de Nazaré ficou com ciúme de Jesus por ele não ter feito nenhum milagre em Nazaré como tinha feito em Cafarnaum. Jesus responde: “Nenhum profeta é bem recebido em sua pátria!” No fundo, eles não aceitavam a nova imagem de Deus que Jesus lhes comunicava através desta nova interpretação mais livre de Isaías. A mensagem do Deus de Jesus ultrapassava os limites da raça dos judeus e se abria para acolher os excluídos e toda a humanidade.* Lucas 4,25-27: Duas histórias do Antigo Testamento. Para ajudar a comunidade a superar o escândalo e entender o universalismo de Deus, Jesus usou duas histórias bem conhecidas do AT: uma de Elias e outra de Eliseu. Por meio destas histórias ele criticava o fechamento do povo de Nazaré. Elias foi enviado para a viúva estrangeira de Sarepta (1 Rs 17,7-16). Eliseu foi enviado para atender ao estrangeiro da Síria (2 Rs 5,14).* Lucas 4,28-30: Queriam mata-lo, mas ele prosseguia o seu caminho. A apelo de Jesus não adiantou. Ao contrário! O uso destas duas passagens da Bíblia provocou mais raiva ainda. A comunidade de Nazaré chegou ao ponto de querer matar Jesus. E assim, no momento em que apresentou o seu projeto de acolher os excluídos, Jesus mesmo foi excluído! Mas ele manteve a calma. A raiva dos outros não conseguiu desviá-lo do seu caminho. Lucas mostra assim como é difícil superar a mentalidade do privilégio e do fechamento. Mostrava ainda que a polêmica abertura para os pagãos já vinha desde Jesus. Jesus teve as mesmas dificuldades que as comunidades estavam tendo no tempo de Lucas.4) Para um confronto pessoal

1. Será que o programa de Jesus está sendo o meu programa, o nosso programa? Minha atitude é a de Jesus ou do povo de Nazaré?2. Quais os excluídos que deveríamos acolher melhor na nossa comunidade?5) Oração final

Minha alma desfalece e suspira pelos átrios do SENHOR. Meu coração e minha carne exultam no Deus vivo. (Sl 83, 3)