* O evangelho de hoje traz a oração do Pai Nosso, o Salmo que Jesus nos deixou.-

A Bíblia explicada em capítulos e versículos-
O Amanhecer do Evangelho-
Reflexões e ilustrações de Padre Lucas de Paula Almeida, CM-
O MESTRE ENSINA A REZAR

1) Oração

Ó Deus, força daqueles que esperam em vós, sede favorável ao nosso apelo, e como nada podemos em nossa fraqueza, dai-nos sempre o socorro da vossa graça, para que possamos querer e agir conforme vossa vontade, seguindo os vossos mandamentos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.2) Leitura do Evangelho (Mateus 6, 7-15)

Nas vossas orações, não multipliqueis as palavras, como fazem os pagãos que julgam que serão ouvidos à força de palavras. Não os imiteis, porque vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes que vós lho peçais. Eis como deveis rezar: PAI NOSSO, que estais no céu, santificado seja o vosso nome; venha a nós o vosso Reino; seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje; perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos aos que nos ofenderam; e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal. Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, vosso Pai celeste também vos perdoará. Mas se não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai vos perdoará.3) Reflexão – Mt 6, 7-15

* O evangelho de hoje traz a oração do Pai Nosso, o Salmo que Jesus nos deixou. Há duas redações do Pai Nosso: de Lucas (Lc 11,1-4) e de Mateus (Mt 6,7-13). A redação de Lucas é mais curta. Lucas escreve para comunidades que vieram do paganismo. Ele busca ajudar pessoas que estão se iniciando no caminho da oração. No Evangelho de Mateus, o Pai Nosso está situado naquela parte do Sermão da Montanha, onde Jesus orienta os discípulos e as discípulas na prática das três obras de piedade: esmola (Mt 6,1-4), oração (Mt 6,5-15) e jejum (Mt 6,16-18). O Pai Nosso faz parte de uma catequese para judeus convertidos. Eles já estavam habituados a rezar, mas tinham certos vícios que Mateus tenta corrigir. No Pai Nosso Jesus resume todo o seu ensinamento em sete preces dirigidas ao Pai. Nestes sete pedidos, ele retoma as promessas do Antigo Testamento e mandar pedir ao Pai que Ele nos ajude a realizá-las. Os primeiros três dizem respeito ao relacionamento nosso com Deus. Os outros quatro dizem respeito ao nosso relacionamento comunitário com os outros.* Mateus 6,7-8: A introdução ao Pai-nosso. Jesus critica as pessoas para as quais a oração era uma repetição de fórmulas mágicas, de palavras fortes, dirigidas a Deus para obrigá-lo a atender a seus pedidos e necessidades. Quem reza deve buscar em primeiro lugar o Reino, muito mais que os interesses pessoais. A acolhida da oração por parte de Deus não depende da repetição das palavras, mas sim da bondade de Deus que é Amor e Misericórdia. Ele quer o nosso bem e conhece as nossas necessidades, antes mesmo das nossas preces.* Mateus 6,9a: As primeiras palavras: “Pai Nosso que estás no céu!” Abba, Pai, é o nome que Jesus usa para dirigir-se a Deus. Expressa a intimidade que ele tinha com Deus e manifesta a nova relação com Deus que deve caracterizar a vida do povo nas comunidades cristãs (Gl 4,6; Rm 8,15). Mateus acrescenta ao nome do Pai o adjetivo nosso e a expressão que estais no Céu. A oração verdadeira é uma relação que nos une ao Pai, aos irmãos e irmãs e à natureza. A familiaridade com Deus não é intimista, mas expressa a consciência de pertencermos à grande família humana, da qual participam todas as pessoas, de todas as raças e credos: Pai Nosso. Rezar ao Pai e entrar em intimidade com ele, é também colocar-se em sintonia com os gritos de todos os irmãos e irmãs. É buscar o Reino de Deus em primeiro lugar. A experiência de Deus como Pai é o fundamento da fraternidade universal.* Mateus 6,9b-10: Os três pedidos pela causa de Deus: o Nome, o Reino, a Vontade. Na primeira parte do Pai-nosso, pedimos para que seja restaurado o nosso relacionamento com Deus. Para restaurar o relacionamento com Deus, Jesus pede (1) a santificação do Nome revelado no Êxodo por ocasião da libertação do Egito; (2) pede a vinda do Reino, esperado pelo povo depois do fracasso da monarquia; (3) pede o cumprimento da Vontade de Deus, revelada na Lei que estava no centro da Aliança. O Nome, o Reino, a Lei: são os três eixos tirados do Antigo Testamento que expressam como deve ser o novo relacionamento com Deus. Os três pedidos mostram que é preciso viver na intimidade com o Pai, fazendo com que o seu Nome seja conhecido e amado, que o seu Reino de amor e de comunhão se torne uma realidade, e que a sua Vontade seja feita assim na terra como no céu. No céu, o sol e as estrelas obedecem à lei de Deus e criam a ordem do universo. A observância da lei Deus “assim na terra como no céu” deve ser a fonte e o espelho de harmonia e de bem-estar para toda a criação. Este relacionamento renovado com Deus, porém, só se torna visível no relacionamento renovado entra nós que, por sua vez, é objeto de mais quatro pedidos: o pão de cada dia, o perdão das dívidas, o não cair em tentação e a libertação do Mal.* Mateus 6,11-13: Os quatro pedidos pela causa dos irmãos: Pão, Perdão, Vitória, Liberdade. Na segunda parte do Pai-nosso pedimos que seja restaurado e renovado o relacionamento entre as pessoas. Os quatro pedidos mostram como devem ser transformadas as estruturas da comunidade e da sociedade para que todos os filhos e filhas de Deus vivam com igual dignidade.Pão de cada dia: O pedida do “Pão de cada dia” (Mt 6,11) lembra o maná de cada dia no deserto (Ex 16,1-36), O maná era uma “prova” para ver se o povo era capaz de andar na Lei do Senhor (Ex 16,4), isto é, se era capaz de acumular comida apenas para um único dia como sinal da fé de que a providência divina passa pela organização fraterna. Jesus convida para realizar um novo êxodo, uma nova convivência fraterna que garante o pão para todos. Perdão das dívidas: O pedido, do “perdão das dívidas” (6,12) lembra o ano sabático que obrigava os credores a perdoar todas as dívidas aos irmãos (Dt 15,1-2). O objetivo do ano sabático e do ano jubilar (Lv 25,1-22) era desfazer as desigualdades e recomeçar tudo de novo. Como rezar hoje: “Perdoai as nossas dívidas assim como nós perdoamos aos nossos devedores”? E’ pela dívida externa dos países pobres que os países ricos, todos cristãos, se enriquecem. Não cair na Tentação: O pedido de “não cair em tentação” (6,13) lembra os erros cometidos no deserto, onde o povo caiu na tentação (Ex 18,1-7; Nm 20,1-13; Dt 9,7-29). É para imitar Jesus que foi tentado e venceu (Mt 4,1-17). No deserto, a tentação levava o povo a seguir por outros caminhos, a voltar atrás, a não assumir a caminhada da libertação e reclamar de Moisés que o conduzia. Libertação do Mal: O mal é o Maligno, o Satanás, que tenta desviar e que, de muitas maneiras, procura levar as pessoas a não seguir o rumo do Reino, indicado por Jesus. Tentou Jesus para abandonar o Projeto do Pai e ser o Messias conforme as idéias dos fariseus, escribas ou de outros grupos. O Maligno afasta de Deus e é motivo de escândalo. Chegou a entrar em Pedro (Mt 16,23) e tentou Jesus no deserto. Jesus o venceu (Mt 4,1-11).4) Para um confronto pessoal

  1. Jesus falou “perdoai as nossas dívidas”, mas hoje nós rezamos “perdoai as nossas ofensas” O que é mais fácil: perdoar ofensas ou perdoar dívidas?
  2. Como você costuma rezar o Pai Nosso: mecanicamente ou colocando toda a sua vida e o seu compromisso?

5) Oração final

Na presença do Senhor, fundem-se as montanhas como a cera, em presença do Senhor de toda a terra. Os céus anunciam a sua justiça e todos os povos contemplam a sua glória. (Sl 96, 5-6)

Mateus 6, 7-15 – PAI NOSSO – O MESTRE NOS ENSINA A REZAR –

Mateus 6, 7-15 – PAI NOSSO – Pe. Lucas

O PAI NOSSO EM ARAMAICO, O MESTRE NOS ENSINA A REZAR

A Bíblia explicada em capítulos e versículos
O Amanhecer do Evangelho
Reflexões e ilustrações de Padre Lucas de Paula Almeida, CM
O MESTRE ENSINA A REZAR

 João Batista ensinou seus discípulos a rezar. Os apóstolos pediram também a Jesus que fizesse o mesmo com eles. E Jesus ensinou o “Pai Nosso”.

É a mais bela de todas as orações, e é rezada milhões de vezes por dia pelos cristãos, em toda a face da terra, às vezes até de maneira muito espontânea, em certos momentos de dor ou de alegria coletiva.

A redação do Pai-nosso em São Mateus é mais longa e mais completa. Em São Lucas, mais abreviada. Jesus a terá ensinado mais uma vez, e as redações diferentes se devem, sem dúvida, ao uso de catequese. Mas o pensamento substancial é o mesmo.

A oração se abre com um louvor a Deus. É aquilo que na arte da oratória se chama “captatio benevolentiae” a conquista da benevolência.

Queremos atrair para nós a boa vontade de Deus. Mas essa “captatio benevolentiae” no Pai-nosso não se estende em muitos louvores, como acontece em certas orações muçulmanas. É muito concisa. Mas também muito expressiva: “Pai nosso, que estais no céus”. E tem o dom de elevar nosso pensamento para o alto, e de desprender-nos da materialidade das coisas do tempo, que muitas vezes podem impedir-nos de rezar bem.

Seguem-se, então, os pedidos. Primeiro para a glória de Deus: que seu nome seja santificado (o nome de Deus significa o próprio Deus), que venha o seu reino; que se faça a sua vontade “assim na terra como no céu”. Depois os pedidos em nosso benefício: o pão de cada dia, o perdão dos pecados, a libertação das tentações e de todo o mal. Quando pedimos o perdão dos pecados, comprometemo-nos a perdoar também a quem nos ofendeu. Essa atitude é tão essencial no Evangelho, que São Marcos a menciona, mesmo sem trazer a inteira oração do Pai-nosso (cfr Mc 11 I 25-26). E fácil observar que o Pai-nosso, eminentemente evangélico e cristão, p ,ode ser rezado por qualquer pessoa que tenha fé em Deus. E uma oração universal.

E importante rezar. E rezar com freqüência. E insistir na oração, quando queremos obter de Deus algum favor. Não porque Deus precise de ouvir muitas vezes nosso pedido, mas para que nós demonstremos nosso interesse e nossa confiança. “Pedi e vos será dado; buscai e achareis; batei e se vos abrirá. Pois todo aquele que pede, recebe; o que busca, acha; e ao que bate, se abrirá (Lc 11′ 9-10).

E Jesus o confirma com uma comparação oriental muito viva. Lembra que, se alguém vai bater à porta de um amigo, alta noite, porque lhe chegou um hóspede inesperado, e precisa de três pães para lhe oferecer, a princípio amigo reclamará, porque já está deitado e não são horas de ser incomodado. Mas, se continuar a bater e a chamar, o amigo acaba atendendo ( cfr. v v 5 a 8).

E nessa mesma linha de atendimento à oração, faz ainda três bonitas comparações: Se um filho pede ao pai um pão, o pai não lhe dará uma pedra (ver Mt 7, 9); se pede um peixe, não lhe dará uma serpente; se pede um OVO, não lhe dará um escorpião. “Pois, se vós que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do céu dará o espírito Santo aos que lho pedirem?” (Lc 11, 11-13). É claro que o Espírito Santo é o maior dom que se possa pedir a Deus.

Talvez se pudesse comentar que um pai aqui na terra nunca daria uma pedra a um filho que lhe pedisse um pão. Mas o Pai do céu vai mais longe ainda: daria um pão, mesmo que o filho desencaminhado pedisse uma pedra. Ele corrige nossos estouvamentos.

Para usarmos uma comparação muito singela, se alguém pedisse a Deus a “graça” de tirar a sorte grande na loteria, Deus poderia dar-Ihe em vez disso a graça – essa sim verdadeira graça – do amor ao trabalho e do bom êxito nesse trabalho. Ele pediria uma “serpente”, e Deus lhe daria um peixe, para nos valermos da palavra do Divino Mestre.

O Evangelho está cheio de lições muito valiosas sobre a oração. Sobre tudo no Sermão da Montanha. Não há religião sem oração. E o progresso espiritual de alguém se mede pela qualidade da sua oração. De acordo, aliás, com uma sapientíssima palavra de Santo Agostinho: “Recte novit vivere, qui recte novit orare”, Isto é, aquele que rezar bem, sabe viver dignamente.

 

LEITURAS do XVII Domingo do Tempo Comum -Ano C:

1a) Gn 18, 20-32

2a) Cl I2,12-14

3a) Lc 11, 1-13

O AMANHECER DO EVANGELHO

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA

REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

                                         Pai Nosso – A oração que o Senhor nos ensinou –https://www.youtu95sbe.com/watch?v=vxAuSDQoNtg&feature=youtu.be
– PAI NOSSO EM ARAMAICO, LÍNGUA NATAL DE JESUS
https://www.youtube.com/watch?v=vxAuSDQoNtg&t=95s  

O evangelho de hoje traz a oração do Pai Nosso, o Salmo que Jesus nos deixou. Há duas redações do Pai Nosso: de Lucas (Lc 11,1-4) e de Mateus (Mt 6,7-13). A redação de Lucas é mais curta. Lucas escreve para comunidades que vieram do paganismo. Ele busca ajudar pessoas que estão se iniciando no caminho da oração. No Evangelho de Mateus, o Pai Nosso está situado naquela parte do Sermão da Montanha, onde Jesus orienta os discípulos e as discípulas na prática das três obras de piedade: esmola (Mt 6,1-4), oração (Mt 6,5-15) e jejum (Mt 6,16-18). O Pai Nosso faz parte de uma catequese para judeus convertidos. Eles já estavam habituados a rezar, mas tinham certos vícios que Mateus tenta corrigir. No Pai Nosso Jesus resume todo o seu ensinamento em sete preces dirigidas ao Pai. Nestes sete pedidos, ele retoma as promessas do Antigo Testamento e mandar pedir ao Pai que Ele nos ajude a realizá-las. Os primeiros três dizem respeito ao relacionamento nosso com Deus. Os outros quatro dizem respeito ao nosso relacionamento comunitário com os outros.Mateus 6,7-8: A introdução ao Pai-nosso.

Jesus critica as pessoas para as quais a oração era uma repetição de fórmulas mágicas, de palavras fortes, dirigidas a Deus para obrigá-lo a atender a seus pedidos e necessidades. Quem reza deve buscar em primeiro lugar o Reino, muito mais que os interesses pessoais. A acolhida da oração por parte de Deus não depende da repetição das palavras, mas sim da bondade de Deus que é Amor e Misericórdia. Ele quer o nosso bem e conhece as nossas necessidades, antes mesmo das nossas preces.

Mateus 6,9a: As primeiras palavras: “Pai Nosso que estás no céu!”

Abba, Pai, é o nome que Jesus usa para dirigir-se a Deus. Expressa a intimidade que ele tinha com Deus e manifesta a nova relação com Deus que deve caracterizar a vida do povo nas comunidades cristãs (Gl 4,6; Rm 8,15). Mateus acrescenta ao nome do Pai o adjetivo nosso e a expressão que estais no Céu. A oração verdadeira é uma relação que nos une ao Pai, aos irmãos e irmãs e à natureza. A familiaridade com Deus não é intimista, mas expressa a consciência de pertencermos à grande família humana, da qual participam todas as pessoas, de todas as raças e credos: Pai Nosso. Rezar ao Pai e entrar em intimidade com ele, é também colocar-se em sintonia com os gritos de todos os irmãos e irmãs. É buscar o Reino de Deus em primeiro lugar. A experiência de Deus como Pai é o fundamento da fraternidade universal.Mateus 6,9b-10: Os três pedidos pela causa de Deus: o Nome, o Reino, a Vontade

Na primeira parte do Pai-nosso, pedimos para que seja restaurado o nosso relacionamento com Deus. Para restaurar o relacionamento com Deus, Jesus pede (1) a santificação do Nome revelado no Êxodo por ocasião da libertação do Egito; (2) pede a vinda do Reino, esperado pelo povo depois do fracasso da monarquia; (3) pede o cumprimento da Vontade de Deus, revelada na Lei que estava no centro da Aliança. O Nome, o Reino, a Lei: são os três eixos tirados do Antigo Testamento que expressam como deve ser o novo relacionamento com Deus. Os três pedidos mostram que é preciso viver na intimidade com o Pai, fazendo com que o seu Nome seja conhecido e amado, que o seu Reino de amor e de comunhão se torne uma realidade, e que a sua Vontade seja feita assim na terra como no céu. No céu, o sol e as estrelas obedecem à lei de Deus e criam a ordem do universo. A observância da lei Deus”assim na terra como no céu” deve ser a fonte e o espelho de harmonia e de bem-estar para toda a criação. Este relacionamento renovado com Deus, porém, só se torna visível no relacionamento renovado entra nós que, por sua vez, é objeto de mais quatro pedidos: o pão de cada dia, o perdão das dívidas, o não cair em tentação e a libertação do Mal.

Mateus 6,11-13: Os quatro pedidos pela causa dos irmãos: Pão, Perdão, Vitória, Liberdade

Na segunda parte do Pai-nosso pedimos que seja restaurado e renovado o relacionamento entre as pessoas. Os quatro pedidos mostram como devem ser transformadas as estruturas da comunidade e da sociedade para que todos os filhos e filhas de Deus vivam com igual dignidade. Pão de cada dia: O pedida do “Pão de cada dia” (Mt 6,11) lembra o maná de cada dia no deserto (Ex 16,1-36), O maná era uma “prova” para ver se o povo era capaz de andar na Lei do Senhor (Ex 16,4), isto é, se era capaz de acumular comida apenas para um único dia como sinal da fé de que a providência divina passa pela organização fraterna. Jesus convida para realizar um novo êxodo, uma nova convivência fraterna que garante o pão para todos. Perdão das dívidas: O pedido, do “perdão das dívidas” (6,12) lembra o ano sabático que obrigava os credores a perdoar todas as dívidas aos irmãos (Dt 15,1-2). O objetivo do ano sabático e do ano jubilar (Lev 25,1-22) era desfazer as desigualdades e recomeçar tudo de novo. Como rezar hoje: “Perdoai as nossas dívidas assim como nós perdoamos aos nossos devedores”? E’ pela dívida externa dos países pobres que os países ricos, todos cristãos, se enriquecem. Não cair na Tentação: O pedido de “não cair em tentação” (6,13) lembra os erros cometidos no deserto, onde o povo caiu na tentação (Ex 18,1-7; Núm 20,1-13; Dt 9,7-29). É para imitar Jesus que foi tentado e venceu (Mt 4,1-17). No deserto, a tentação levava o povo a seguir por outros caminhos, a voltar atrás, a não assumir a caminhada da libertação e reclamar de Moisés que o conduzia. Libertação do Mal: O mal é o Maligno, o Satanás, que tenta desviar e que, de muitas maneiras, procura levar as pessoas a não seguir o rumo do Reino, indicado por Jesus. Tentou Jesus para abandonar o Projeto do Pai e ser o Messias conforme as idéias dos fariseus, escribas ou de outros grupos. O Maligno afasta de Deus e é motivo de escândalo. Chegou a entrar em Pedro (Mt 16,23) e tentou Jesus no deserto. Jesus o venceu (Mt 4,1-11).Para um confronto pessoal

1) Jesus falou “perdoai as nossas dívidas”, mas hoje nós rezamos “perdoai as nossas ofensas” O que é mais fácil: perdoar ofensas ou perdoar dívidas?

2) Como você costuma rezar o Pai Nosso: mecanicamente ou colocando toda a sua vida e o seu compromisso?Oração final

Na presença do Senhor, fundem-se as montanhas como a cera, em presença do Senhor de toda a terra. Os céus anunciam a sua justiça e todos os povos contemplam a sua glória. (Sal 96, 5-6) O evangelho proposto para hoje é a respeito do conteúdo da oração e sobre como orar com perseverança e confiança.

De um lado, as orientações de Jesus a respeito da oração estão imediatamente após a catequese sobre o mandamento do amor (Lucas 10,25-28) colocado em prática através da solidariedade (Lucas 10,29-37), do serviço e do seguimento (Lucas 10,38-42). A comunhão com o Espírito de Deus cultivada na oração é a fonte do amor, da misericórdia, da diaconia e do discipulado.

De outro lado, as orientações de Jesus a respeito da oração encontram-se imediatamente antes da expulsão de um demônio de uma pessoa muda (Lucas 11,14). Seu poder de cura está intimamente vinculado à sua oração (Lucas 11,1) e à fé das pessoas (Lucas 7,50; 17,19; 18,42).

Podemos dividir a catequese sobre a oração em três partes.

  1. A oração de Jesus e dos/as discípulos/as (Lucas 11,1-4)

Jesus é uma pessoa de profunda oração. Ele rezava muito, seja em momentos decisivos de sua vida, seja no cotidiano. Estava sempre em busca de comunhão com o Pai. Nessa intimidade filial, estava o segredo de sua missão.

Em Mateus, temos sete pedidos no Pai-nosso (Mateus 6,9-13). Em Lucas, são cinco. Lucas deve estar mais próximo da oração que Jesus sempre rezava. A comunidade de Mateus acrescentou o desejo de que a vontade de Deus fosse realidade assim na terra como já é no céu. É que os judeus cristãos não podiam deixar a Lei de Deus fora do Pai-nosso. E a forma como o fizeram foi através do terceiro pedido. Mas como deixar o pedido pelo Pão-nosso no coração da oração de Jesus? Então, para manterem ímpar o número dos pedidos, repetiram o último em forma afirmativa: “Mas livra-nos do maligno” (Mateus 6,13). Desse modo, o Pão-nosso continuava no centro da oração de Jesus e de seus discípulos. Diferentemente de Mateus, onde Jesus toma a iniciativa de ensinar o Pai-nosso (Mateus 6,7-9), em Lucas, depois de acompanhar Jesus em oração, um seguidor lhe pede que também ensine o seu segredo aos discípulos. “Senhor, ensina-nos a orar”. Então, Jesus lhes revela o seu jeito de se relacionar com o Pai. E partilhou a sua experiência. Esta oração é a síntese de seu projeto. Nos dois primeiros pedidos, Jesus nos propõe acolher o Pai com o seu projeto, expresso por seu nome e pela justiça do reino. Nos três pedidos seguintes, Jesus nos pede que, da mesma forma como ele, também nós respondamos ao Pai, vivendo novas relações entre nós.

Pai

Abbá quer dizer paizinho, papai querido, tal como as crianças se dirigem a seus pais. É uma relação de confiança, de entrega e de intimidade. É um pai que gera vida, que acolhe e perdoa, que cria para a liberdade. Chamando a Deus de paizinho, reconhecemos também a nossa filiação divina, pois Jesus disse que o seu Pai também é nosso Pai (João 20,17).

1.1. Santificado seja o teu nome

Para o povo da Bíblia, o nome representa a própria pessoa. Santificar, portanto, o nome de Deus é o desejo de se comprometer com ele, de tornar realidade o seu nome, Abbá. Ser filho e filha desse paizinho nos leva a ter com ele uma relação de confiança e de liberdade. Leva-nos a revelar a sua glória, que se manifesta na vida do povo, especialmente dos mais fracos. Leva-nos também a viver plenamente como pessoas libertas e engajadas na luta pelo direito de todas as pessoas de serem verdadeiramente livres de todas as formas de escravidão, de todos os ídolos mundanos que nos tornam seus escravos.

Seu nome também é Javé. “Assim serei lembrado de geração em geração” (cf. Êxodo 3,14-15). Santificar o seu nome é atualizar sua presença libertadora na luta pela dignidade do povo excluído pelo sistema opressor do Egito. Quais sãos os sistemas que hoje nos escravizam, grandes ou pequenos?1.2. Venha o teu Reino

Desejar o Reino é abrir-se para acolher o projeto de justiça e de amor vivido por Jesus, a fim de concretizá-lo aos poucos em nosso dia a dia. Viver segundo o Reino é deixar-se conduzir por seu Espírito, ao ponto de ter vida em abundância e de podermos dizer com o apóstolo Paulo que “já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim” (Gálatas 2,20).

1.3. O pão nosso cotidiano nos dá dia a dia

Este é o pedido central do Pai-nosso. Ao colocar o pedido pelo pão no coração de sua oração, Jesus nos mostra que o pão repartido, isto é, a economia não acumulada é o centro do projeto de Deus. Definitivamente, a economia está no centro do plano de Deus, uma economia solidária, partilhada, não acumulada. O significado do pão é mais amplo e se refere também a todas as necessidades fundamentais para vivermos com a dignidade de filhas e filhos de Deus, tais como as seis necessidades lembradas por Jesus em Mateus 25,35-36: comida, água, casa, roupa, saúde e liberdade. E mais. É também o pão repartido na Santa Ceia.

1.4. E perdoa os nossos pecados, assim como também nós perdoamos a todo o que nos deve

O perdão de Deus é incondicional. Jesus revelou o amor do Pai, doando sua vida livremente, porém, na fidelidade ao projeto do Reino. Da mesma forma, este pedido do Pai-nosso nos convida a exercermos a misericórdia com perdão pleno, garantindo, dessa forma, vida digna a todas as pessoas, não permitindo que as dívidas sejam causa de sofrimento e humilhação. Somente pessoas reconciliadas podem viver relações harmoniosas e de justiça. A misericórdia de Deus é sem limites. Ele está sempre pronto para perdoar, até mesmo em situações limite, como o caso em que Jesus perdoa a seus algozes: “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem” (Lucas 23,34). No entanto, só é capaz de acolher o seu perdão quem for capaz de também perdoar. Somente a atitude de humildade nos abre para acolher o perdão infinito do Pai. O Pai do filho perdido já estava oferecendo seu perdão desde a hora em que ele decidiu seguir outro caminho. Porém, o filho somente experimentou a misericórdia do Pai no momento em que caiu em si e se abriu ao perdão gratuitamente oferecido pelo Pai (Lucas 15,11-32).

1.5. E não nos conduzas para a tentação

Jesus deixou bem claro quais são as principais tentações do maligno e que impedem vivermos conforme as relações do Reino. No relato das tentações, Jesus nos revela as principais seduções que nos afastam do caminho de Deus: a ganância da riqueza, a ambição do poder, a glória do prestígio e soluções mágicas para resolver a fome (Lucas 4,1-13). Para fazer frente a essas tentações, Jesus nos propõe o caminho da partilha da riqueza, do poder colocado a serviço e da simplicidade no viver.

  1. Orar com insistência, com perseverança (Lucas 11,5-10)

Com a parábola do amigo importuno, Jesus revela mais características da oração, isto é, a insistência e a perseverança, de um lado, e, de outro, a certeza de sermos escutados, diante da solidariedade e da gratuidade de Deus. Por isso, “peçam e receberão; procurem e encontrarão; batam, e a porta será aberta para vocês. Porque todo o que pede, recebe; todo o que procura, encontra; e, para quem bate, se abrirá”. Jesus nos desafia a orarmos com perseverança, pois a oração não pretende mudar Deus, uma vez que ele sabe o que precisamos. A oração pretende mudar a nós. Se custamos a receber e a encontrar, se a porta custa a se abrir, será que não somos nós que custamos a mudar nossas mentes e nossos corações?

Pedir o Espírito Santo com confiança (Lucas 11,11-13)

Se as pessoas atendem aos seus amigos e familiares, se os pais não negam pão e peixe a seus filhos, muito mais o Pai do céu atenderá as necessidades de suas filhas e de seus filhos. O jeito de Deus ser Pai supera o jeito humano. Ele é Pai como na narrativa do filho perdido. Cria seus filhos para a liberdade. Quando erram, espera-os de braços abertos para acolhê-los no amor e com eles fazer festa.

Por fim, Jesus recomenda que peçamos o essencial ao Pai, isto é, o seu Espírito. É que ele é a força de Deus que animou a profecia no Antigo Israel (Isaías 61,1). Ele é o dinamismo que enviou Jesus de Nazaré anunciar uma boa-nova aos pobres (Lucas 4,18-19). É ele também a nossa força para testemunharmos, até os confins da terra, o projeto do Reino que Jesus viveu e anunciou (Atos 1,8). E o Espírito de Jesus está aí da mesma forma como o sol a brilhar. E como a luz solar entra em uma casa? Ora, abrindo portas e janelas. Portanto, deixar que a luz do Espírito ilumine nossos passos está em nossas mãos. Sua força a conduzir nossas vidas será tanto maior quanto mais nos abrimos através da oração filial na busca de comunhão com nosso papai querido.

Por isso,

Pai,

Santificado seja o teu nome;

Venha o teu Reino;

O pão nosso cotidiano nos dá dia a dia;

E perdoa os nossos pecados, assim como também nós perdoamos a todo o que nos deve;

E não nos conduzas para a tentação.